Sobre o Veto ao Ato Médico

Prezados Amigos,

Sei que há uma polêmica com relação ao ato médico, vetado em sua essência pela presidente Dilma.
Proponho que todos que sejam “contra” em primeiro lugar leiam a lei na íntegra, sem os vetos.
A lei não tolhe ninguém, simplesmente regulamenta o que é a profissão de medicina.

Duas coisas que foram vetadas – Diagnóstico nosológico e Prescrição de medicamentos.

Não há ninguém mais capacitado do que o médico para o diagnóstico nosológico (de doenças). a nutricionista faz diagnóstico nutricional, o fisioterapeuta faz diagnóstico fisioterápico. Agora se o veto for mantido, qualquer um, sem preparo adequado, poderá dar o diagnóstico nosológico.

Também com relação à prescrição de medicamentos farmacológicos, não há profissional mais habilitado do que o médico.

Isso (Diagnóstico e Prescrição) já é feito por médicos há séculos. A lei só vem regulamentar.

Respeito e trabalho com outros profissionais de saúde, e admiro cada profissional.

Agora olhem o que pode acontecer, se a lei ficar com os vetos.

O médico pode fazer qualquer bobagem, que se for cassado pelo CRM, vai poder continuar diagnosticando e prescrevendo. Afinal, diagnóstico e prescrição não são mais exclusividades médicas.

O governo não precisa mais de revalidação de diploma nenhum, pois qualquer profissional pode diagnosticar e prescrever. Então para que revalidar o diploma?

Também não vai precisar ser médico, fazer 6 (ou 8 anos como quer o governo agora) para diagnosticar e tratar o povo. Qualquer um com 3 ou 4 anos de qualquer formação vai poder fazer isso, afinal a lei permite.

Então, do jeito que está, acabou a medicina. Qualquer um com qualquer formação pode prescrever e diagnosticar. A lei não coloca limites, vetou e não regulamentou.

Era melhor sem lei.

Agora virou uma anarquia jurídica.

Quem vai ser prejudicado é o POVO. Aquele que mais necessita do tratamento médico.

Estou em luta a favor da derrubada do veto.

Se o congresso não tomar uma atitude e derrubar esse veto, não são os médicos que serão os maiores prejudicados, mas sim a população que estará totalmente desprotegida.